NÃO PODEMOS FECHAR OS NOSSOS OLHOS E FICAR EM SILÊNCIO

A nova Lei da Igualdade nos EUA é uma ameaça perigosa para as nações em geral, na medida em que o que acontece nesse país têm uma tendencia a espalhar-se a nível mundial.

Escrevo sobre uma legislação muito perigosa: a Lei da Igualdade.

A administração Biden disse que desejava aprovar isso nos primeiros 100 dias de serviços prestados à nação.

Não posso dizer isso de forma muito mais enfática: para indivíduos, empresas e ministérios da fé, digo, igrejas, a Lei da Igualdade é uma ameaça à vida, como a conhecemos hoje, em nosso país, bem como nos EUA. É uma autentica mudança de “jogo”.

A Lei da Igualdade:

Designa escolas, igrejas e organizações de saúde como «locais públicos». Com isso, escolas, igrejas e hospitais poderiam ser forçados a aceitar crenças e mandatos do governo sobre orientação sexual, mais conhecida como a ideologia do gênero. Isso seria muito intrusivo e incrivelmente poderoso para interesse ocultos.

Isso será uma ameaça à linguagem cotidiana, onde as pessoas podem ser multadas ou perder seus empregos por usar o nome ou os pronomes errados. Alguns países nórdicos já estão a regulamentar leis nesse sentido.

Legislar que permitamos meninos em desportes femininos, meninos em vestiários femininos, homens em abrigos femininos e homens em prisões femininas, assim como casas de banho para ambos os sexos.

Novidade?! A aprovação do casamento de pessoas do mesmo sexo além de já ter sido aprovado em muitos país, também já começou a ser aceite por algumas igrejas.

Na Finlândia, aonde eu resido, a Igreja do Estado, digo, luterana, realiza casamentos de pessoas do mesmo sexo.

No final do ano de 2019, uma deputada do parlamento finlandês, ao fazer uso de um texto do apóstolo Paulo na carta aos Romanos que condena o homossexualismo, teve problemas sérios com a justiça do seu país.

Isso forçará professores e alunos a fingir publicamente que um homem biológico é uma mulher e vice-versa. As escolas serão incentivadas ou obrigadas a ensinar aos alunos do primeiro, segundo e terceiro ano que eles podem escolher ser menino ou menina, ou nenhum dos dois, ou ambos, fazendo do sexo biológico (e da ciência) uma relíquia do passado.

O uso da força da lei em todos os 50 estados dos EUA para privar os ministérios cristãos e outros ministérios religiosos do seu direito de contratar pessoas da mesma fé para realizar uma missão comum é completamente absurdo e irracional.

Pode imaginar uma organização cristã ser forçada a contratar pessoas hostis às suas crenças! Que não são apaixonadas por suas crenças, ensinamentos e missão? Isso nunca irá funcionar.

Espoliando profissionais da saúde dos seus direitos de consciência. Isso forçará os médicos e profissionais médicos a participarem de tratamentos de transição de gênero, como bloqueio hormonal, hormônios cruzados ou cirurgia contra a sua vontade.

E óbvio que um hospital católico ou protestante ou de uma outra crença religioso não deveria ter que realizar cirurgias de transição de g ê n e r o q u e v ã o completamente contra o que eles acreditam à luz da Bíblia.

Sendo uma ferramenta usada pelo governo para negar ou ameaçar o credenciamento das faculdades e universidades religiosas, caso não atendam às demandas da esquerda grosseira secular de aplicar orientação sexual e identidade de gênero a dormitórios, nos desportes, locais de privacidade e até mesmo do ensino.

A lei poderia ser usada como uma arma para ameaçar a disponibilidade de empréstimos federais, isto no caso dos EUA, para estudantes e bolsas de estudo para alunos em certas escolas religiosas mais desfavorecidas.

O que acontece hoje nos EUA chegará até nós se não tomarmos uma atitude pró-activa, contundente e solidária contra uma política que não é típica de um Estado-nação, mas sim de uma política globalista.

Devemos expressar nosso repúdio a essa política e a esses objetivos da esquerda globalista.

Não devemos apenas orar, nalguns casos rezar, mas devemos-nos mover e agir. Devemos-nos expressar, usando todos os meios de comunicação, para que esta Lei e muitas outras no futuro não singrem nos seus intentos contrários à nossa consciência judaico-cristã.

Dr. Davide Pereira.
Pastor Evangélico. AD.
INISEG.  Grupo de Investigação Académico Internacional.
Investigador do Observatório OCATRY.
Conselheiro Político. Finlândia.