Pacheco Pereira, o gnomo do Irão que é monitorizado pelas suas ligações a regimes totalitários

José Pacheco Pereira é um historiador português, nascido no Porto, com historia nos movimentos maoístas portugueses e que depois para o PSD, alegadamente para apoiar o seu Presidente, Anibal Cavaco Silva.  A razão da sua mudança para PSD, garante-nos várias fontes ligadas no passado aos serviços de inteligência portugueses, serviu apenas para passar informações a Mário Soares sobre Cavaco Silva. José Pacheco Pereira sempre foi uma toupeira no PSD, que beneficiou de contratos na comunicação social pelas informações que arranjava. Até os seus amigos dizem sem pestanejar que é um “mentiroso”, um “cínico e hipócrita”.

Mais grave, Pacheco Pereira quer no Parlamento Europeu, quer em Portugal, aproximou-se do Irão e dos inimigos de Israel. Primeiro como forma de chegar à Arménia e de criar uma estória sobre seu papel na pacificação do povo arménio e da reconciliação com seus vizinhos e sua história.

Na verdade, Pacheco Pereira o que queria, sempre quis, foi ter uma boa relação com a Fundação Calouste Gulbenkian e os seus milhões. E ficar bem nos salões da diplomacia, da luxúria e das festas sexuais que sempre gostou de organizar, em Lisboa e em muitas capitais europeias por onde passou… E que se prolonga com outros distintos membros de partido PSD, também na Europa, em requintados encontros homossexuais…

O target Jose Pacheco Pereira precisa de ser contra Israel, repetir discurso de ódio contra Israel porque tem medo da informação que Irão e seus apoiantes na Europa possam meter cá fora sobre a sua pessoa, as suas festas sexuais, os seus namorados (relações homossexuais que não cairiam bem nos seus patrões da comunicacao social e nos seus camaradas comunistas mais ortodoxos e severos) e os fundos que recebeu do Irão e de grupúsculos ligados a Irão e amigos de Irão.

Sonho de Jose Pacheco Pereira era ser o maior responsável pela estruturas europeistas e pan-europeistas em Portugal (como a Council for Foreign Relations/Europe) como não conseguiu teve de ser aliar a seus amigos Ana Gomes, Francisco Louçã, Antonio Vitorino, Boaventura Sousa Santos e outros da esquerda radical e da direita radicalmente estupida.

EPHEMERA é armazém onde Jose Pacheco Pereira armazena a sua documentação e outros materiais que diz ser para “guardar a memória”. Nota: localiza-se em município liderado por Partido Comunista Português, com boas relações com Partido Comunista Chinês e ótima relação com Irão e Representante da Autoridade Palestiniana. Este armazém está cheio de materiais da AP e de Yasser Arafat, particularmente. https://ephemerajpp.com/2011/03/12/palestina-emblemas-com-yasser-arafat/amp/

As opções sexuais de Jose Pacheco Pereira são com ele, o problema esta na construção da sua personalidade. A sua personalidade instável, de suposta independência sempre à procura de dependência, levou-o a encontrar na Embaixada do Irão, em grupos de apoio ao Irão e ao Hezbollah (como a Associacao Amizade Portugal-Sahara) o seu porto de abrigo. E Jose Pacheco Pereira gosta muito dos cocktails no edifício do Restelo da Embaixada do Irao..

Como adora as conversas com o representante da Palestina em PT, o terrorista com passaporte diplomático, que foi conselheiro de Yasser Arafat na carnificina que moveu contra inocentes, na maioria irmãs e irmãos Judeus, mas também não Judeus… Estranho? Não…José Pacheco Pereira beneficiou também das generosas ofertas de Yasser Arafat, da sua casa em Paris e Lagos, e dos fundos que branqueou que serviram também para financiar Fundacao Mario  Soares

José Pacheco Pereira com Clara Ferreira Alves, uma das jornalistas que mais ataca o Estado de Israel e branqueia terrorismo do Hamas.

As agencias de intelligence (as melhores) sabem e têm documentação sobre tudo isto. José Pacheco Pereira e as generosas dádivas que recebeu do Irão e de grupos ligados, direta ou indiretamente, ao Irão estão a ser monitorizados há , pelo menos, duas décadas e meia. Hoje, por varias razões, a atenção sobre Pacheco Pereira cresceu…e bastante…

Pacheco Pereira escreve por encomenda de diversas agencias de comunicação, com destaque para Political Intelligence, de responsabilidade em PT de gente ligada a CDS/PP (de Paulo Portas), Pacheco é amigo de Rita Serrabulho, antiga chefe de gabinete de pessoas do CDS. Pacheco Pereira gosta muito de Adolfo Mesquita Nunes, também com ligações a Political Intelligence e homossexual assumido (Pacheco Pereira também e homossexual, mas ainda não confessado publicamente). 

Pacheco Pereira tem participado em iniciativas de apoio à Frente Polisário, sabendo das conexões desta com Hezbollah e Hamas. Pacheco Pereira utiliza argumentação própria dos antissemitas e inimigos do Estado de Israel. Informacao sobre Pacheco Pereira e suas ligações sinistras já é vasta e inequívoca.

Aqui na foto, o alvo José Pacheco Pereira com ativistas espanhóis em defesa da Frente Polisário, onde apelou à vitória dos grupos terroristas “nem que seja à bomba”.