E DE REPENTE A LIBERDADE CHEGOU

Quatrocentos e trinta anos sob a vara da opressão, é mais que uma frase conhecida e repetida. É mais que uma ou duas vidas…Mas para esses escravos, foi uma eternidade de dor, humilhação, sofrimento e uma agonia sem fim.

Como e quando começou?

Ninguém se lembrava mais. A verdade é que um dia, de repente, a dinastia que conheceu Youssef Ben Yaacov, gradualmente desapareceu. E o antagonismo racial e o ódio religioso. Começou a opressão. Os governantes do Egito ditavam contra eles, leis tirânicas e injustas.

Mas quando menos se esperava, um dia, guardas armados apareceram do lado de fora de suas portas e homens, mulheres e crianças foram levados à força para construirem tijolos, como mão de obra escrava e barata.

Mas incrível! Vejam bem, aos olhos dos egípcios, aqueles escravos hebreus, em vez de diminuírem, aumentaram; Eles cresceram e se multiplicaram grandemente. 

O crescimento do povo hebreu foi grande e assustador. Os seus opressores começaram a temer e tomaram uma decisão. Eles conceberam a lei de Moloch.

O assassinato de crianças. E eles proibiram os seus filhos de nascer. As mulheres teriam que abortar ou os seus filhos eram mortos à nascença.

Mas, a Mão de Deus os protegeu e aos país de coração partido, o poder de Deus os confortou.

De repente, um dia um egípcio apareceu em uma das sua cidade, e disse-lhes que ele era na verdade da tribo de Levi. Filho de Amram e Jochebed, irmão de Aharon e Miriam.

Mas, eles estavam tão amargurados e perturbados e ocupados com as obras, que só tiveram inveja daquele estranho, que se vestia como um príncipe e falava com autoridade, como se tivesse alguma liderança sobre eles. Não lhe fizeram caso e não lhe deram ouvidos às suas palavras.

Então eles souberam que há quarenta anos, ao receberem ordens de assassinar os filhos israelitas do Faraó daquela época, sua mãe o confiou às mãos do Senhor, colocou-o em uma cesta e colocou-o no rio Nilo.

Naquele dia, a providência guiou a filha do Faraó. Que, vendo a cesta flutuando entre os juncos da margem e ouvindo o choro do bebê, mandou retirá-la das águas do rio Nilo e o adotou.

A Graça de Deus se manifestou e a jovem donzela procurou uma «babá» para amamentá-lo e foi Joquebede, a mãe, quem recebeu aquela comissão.

Eles o chamaram de Moshe (que é traduzido: Salvo das Águas). E ele cresceu no palácio e foi educado e treinado nas leis do Império. E nos segredos de seu reino de Faraó.

Mas, Joquebede sempre o visitava e aprendia a língua de seus pais, a sua cultura e a  sua religião.

E por causa daquele vínculo de sangue e com a ideia de redenção, ele os visitou para encorajá-los a sair da escravidão.

No dia seguinte, como ninguém aceitou, ele fez questão de visitá-los. Ao ver que um dos soldados egípcios usava de violência para com os seus irmãos deu-lhe um golpe, que causou a morte do atacante.

Rapidamente o enterrou na areia, mas o homem do incidente contou a todos os seus irmãos. E naquele outro dia quando Moisés apareceu novamente em Ramsés e quando viu que dois hebreus discutiam com violência e ódio, aproximou-se deles e repreendeu a atitude deles. Dizendo-lhes que, enquanto estivessem divididos, o inimigo comum se aproveitaria das suas lutas e continuaria a oprimi-los.

Mas um deles, que mais tarde soube que se chamava Core, cheio de ódio disse-lhe:»E quem você acha que você é? Quem te deu o direito de nos advertir? Você está a planejar matar-nos como matou o egípcio?

Então, Moisés fugiu para a terra de Midiã, sabendo que foi descoberto e exposto à vingança do Faraó.

Quarenta anos depois, ele sentiu em seu coração ir para o Monte Horebe. Chamado de Monte de Deus.

E de repente, um arbusto começou a arder e não se consumia. Ele foi até lá, e de repente ele ouviu a Voz do Anjo do Senhor: «Moisés, Moisés, tira os sapatos dos pés, que o lugar que pisas é sagrad…»

Sabendo que era Adonay Eloheinu quem estava a falar com ele, cobriu o seu rosto e o adorou.

Então recebeu a Grande Comissão para libertar o seu Povo da opressão e da servidão dos egípcios.

Aceitando isso, não foi fácil para ele lembrar o desprezo que demonstraram contra ele, quarenta anos atrás.

Deus foi paciente com o Seu Servo. Aquele que o conheceu antes de ele nascer…e por isso o chamou.

Moisés perguntou-lhe em nome de quem ele iria perante os hebreus para anunciar a sua redenção. E o Santo e Bom Pai revelou o Seu Nome Eterno: Ehyeh Asher Eheye (EU SOU quem EU SOU, quem EU FUI e quem sempre SERÁ).

Moisés recebeu a Vara da Autoridade. E com a vara de Deus, ele foi e falou aos hebreus, e com a mesma vara ele enfrentou Faraó e Deus foi glorificado.

Um dia, quando menos esperavam, Deus os visitou.

Eles viram as maravilhas do Senhor naquela terra, que por quatro séculos os tinha escravizado.

De repente, o temor e o temor de Deus caíram sobre as cidades e do trono do todo poderoso senhor do Egipto, Faraó.

Mas nas casas dos filhos de Avraham, Itzchak e Yaacov, tudo decorria na máxima das normalidades. Salmo 91

Os julgamentos de Deus paralisaram os chicotes e as vergastadas dos egípcios.

E a noite da liberdade chegou. A noite de Pessach (em hebraico significa que o anjo passou sem ferir onde estava o sinal de Deus).

Naquela noite, todos os primogênitos do Egito morreram, desde o príncipe herdeiro até o menor de seus servos. Os egípcios, assustados com tantos milhares de mortos, os chamaram e imploraram que deixassem a sua terra. A liberdade chegou.

Conclusão: Hoje eu te digo: A opressão da maldade sobre a herança dos justos não permanecerá para sempre. O jugo vai apodrecer…, nada, absolutamente nada é para sempre.

O ano de 2021 é um ano de profundas mudanças em Portugal. A nossa dignidade, as nossas tradições  estão de volta…

Vamos lá, levanta as tuas mãos e agradeça ao Senhor porque a minha e a nossa Liberdade está a chegar !!!

Chega! Chega de «42 anos«. Chega de Esquerda. Chega de «egipto«…

Pense nisso.

Davide Pereira. Activista Evangélico. Finlandia