Ana Gomes, a deputada e discípula do «polvo» Soros no Parlamento Europeu

Prezado leitor, durante as próximas semanas, até ao dia 22 de Janeiro, neste jornal, irei revelar o que talvez já saiba ou o que ainda não sabe. Artigo após artigo irei escrever sobre algumas das muitas trapalhadas e interesses políticos obscuros da Ana Gomes, Lda.

A candidata às presidenciais no dia 24 do próximo mês de Janeiro em Portugal e ex-deputada do Parlamento Europeu, Ana Gomes, faz parte do activo das «marionetas da esquerda» do senhor George Soros e da “Open Society Foundation».

Sim! É isso mesmo. Ana Gomes fez parte e ainda faz parte da lista dos «aliados confiáveis» da Rede Soros durante o tempo em que esteve como deputada europeia em Bruxelas. Além da Ana Gomes, Soros pode dar-se ao «luxo» de ter as seguintes «marionetas», portuguesas no Parlamento Europeu, tais como: Elisa Ferreira, Liliana Rodrigues, Maria João Rodrigues, todas do Partido Socialista. Também na mesma lista de Soros encontramos do Partido Comunista João Ferreira, Miguel Viegas e Inês Cristina Zuber e ainda…Marisa Matias do Bloco Esquerda.

As doutrinas do «arquiteto social» George Soros, já são do conhecimento público. A Ideologia do género, a despenalização do aborto, casamentos homessexuais, orgulho gay…e isso com o objetivo criminoso de reduzir subtâncialmente a população a nível mundial. A Agenda 2030, tem precisamente como objetivo roubar a liberdade e todos os direitos adquiridos com a Revolução Francesa descaracterizando uma Europa de princípios judaico cristãos etc…

O estalinismo está de volta e com ele a cristofobia e porque a candidata Ana Gomes às presidenciais em Janeiro teve o seu primeiro batismo político no MRPP após o 25 de Abril de 1974, não é de admirar o seu saudosismo a uma esquerda tirana e radical com objetivos sombrios e nefastos. Daí a sua filiação nas fileiras dos seguidores ferrenhos de Soros, assim como também dos bloquistas da esquerda que gradualmente entraram num estado irreversível de falência política.

O desespero dos políticos portugueses é tão grande e a política portuguesa está tão obsoleta que se pudessem até cobravam um imposto a cada um de nós que diz: Chega!

Assim como Chega de ver católicos, protestantes, evangélicos e neo-pentecostais a se deixarem cegar por uma esquerda de meias verdades, como foi com a «serpente no Jardim do Édem» . O que dizer dos «russelistas» que também são conhecidos por Testemunhas de Jeová, que nunca vão às urnas para votar, porque os seus líderes os proíbem, usando versículos bíblicos fora do contexto!!! Portugal Chega!

Mas prezado leitor, vamos continuar a falar da Ana Gomes, Lda.

Foi e é manipulada para «alimentar» discursos mesquinhos e infundáveis de ódio contra Israel no já habitual antissemitismo da «Open Society Foundation» do senhor George Soros.

Prezado leitor sabia que o Parlamento da terra natal de Soros, na Hungria, o considerou o novo Hitler!

Fez também vários favores ao líder da mencionada organização durante os seus oito mandatos no Parlamento Europeu… quando afinal de contas quem a colocou lá fomos nós, portugueses. Era ao Estado Português que devia servir e não à Agenda Globalista. Mas a esquerda é assim mesmo…

A ex-deputada do Parlamento Europeu Ana Gomes Gomes é uma das pessoas de confiança do senhor George Soros em Portugal. Ana Gomes, não é por opção a representante de Portugal no «European Chapter of the Council for Foreign Affairs» (CFA), porque decidiu que estrategicamente seria melhor «trabalhar» na sombra. Ficar na sombra dá ao target a possibilidade de participar livremente na política de Portugal, podendo «acusar» os adversários de beneficiarem de «ligações perigosas», mantendo a opacidade das suas ligações externas.

Por isso, a representante do CFA/Portugal é Teresa Patrício Gouveia (T.P.G), ex-ministra de Aníbal Cavaco Silva e de Durão Barroso. Irmã de António e Alexandre Patricio Gouveia: o 1.º faleceu na sequência do caso “Camarate”; o 2.º tem «alimentado» ideia que “Camarate” foi provocado pela CIA, a mando do GOP, para permitir a eleição do Presidente Ronald Reagan (está referenciado pela CIA, sendo a sua «tese», publicada num livro recentemente, facilmente desmontada pelos factos e documentos oficiais; não se percebe como o autor liga, com argumentos utilizados nas últimas décadas, ao GOP, quando, na verdade, os democratas «dominavam» a CIA então

É por isso que não é de admirar que um dos candidatos às presidenciais em Janeiro do próximo ano, André Ventura do Partido Chega, seja um «shofar» com um sonido contra a corrupção e compadrios «dos boys» dos partidos em Portugal. O que dizer do senhor Cabrita e do falecido ucraniano…TAP, ex BES

Bem! Prezado leitor, por agora fico por aqui e assino com um Basta e um Chega.

Pense nisto!

O Protestante.